+55 (11) 98837-5585

Prognóstico individualizado baseado em biomarcadores digitais para pessoas em risco de demência: o estudo de validação externa multi-cêntrico Altoida

As pesquisas que investigam os tratamentos e intervenções para o declínio cognitivo e a doença de Alzheimer (DA) sofrem devido às dificuldades em identificar com precisão os indivíduos em risco de DA nos estágios pré-sintomáticos da doença. Há uma necessidade urgente de uma melhor identificação de tais indivíduos, a fim de possibilitar o tratamento mais precoce e de organizar e estratificar adequadamente os participantes para ensaios clínicos e estudos de intervenção. Embora algumas medidas biológicas (biomarcadores) possam identificar mudanças relacionadas ao Alzheimer antes que ocorram mudanças significativas na função cognitiva, tais biomarcadores não são ideais, pois só são capazes de colocar os indivíduos em estágios rudimentares da doença / declínio cognitivo (Tarnanas et al., Alzheimer Dement (Amst) 1 (4): 521-532, 2015) e, às vezes, diagnosticar indivíduos erroneamente (Edmonds et al. 2015). Dois testes, com base no funcionamento do mundo real, que têm sido usados ​​para rastrear DA pré-sintomática são (i) testes de caminhada de dupla tarefa (Belghali et al. 2017) e (ii) tarefas diárias (Tarnanas et al. 2013). Um novo biomarcador digital, o aplicativo Altoida ADPS, que implementa versões gamificadas desses testes, demonstrou discriminar com precisão entre controles saudáveis ​​e indivíduos em estágios prodrômicos da doença de Alzheimer (Tarnanas et al. 2013) e pode diferenciar entre pessoas com comprometimento cognitivo leve que se convertem à doença de Alzheimer e aqueles que não (Tarnanas et al. 2015b). 

O objetivo deste estudo é a validação de um novo biomarcador digital de declínio cognitivo. 2017) e (ii) tarefas diárias (Tarnanas et al. 2013). Um novo biomarcador digital, o aplicativo Altoida ADPS, que implementa versões gamificadas desses testes, demonstrou discriminar com precisão entre controles saudáveis ​​e indivíduos em estágios prodrômicos da doença de Alzheimer (Tarnanas et al. 2013) e pode diferenciar entre pessoas com comprometimento cognitivo leve que se convertem à doença de Alzheimer e aqueles que não (Tarnanas et al. 2015b). O objetivo deste estudo é a validação de um novo biomarcador digital de declínio cognitivo. 2017) e (ii) tarefas diárias (Tarnanas et al. 2013). Um novo biomarcador digital, o aplicativo Altoida ADPS, que implementa versões gamificadas desses testes, demonstrou discriminar com precisão entre controles saudáveis ​​e indivíduos em estágios prodrômicos da doença de Alzheimer (Tarnanas et al. 2013) e pode diferenciar entre pessoas com comprometimento cognitivo leve que se convertem à doença de Alzheimer e aqueles que não (Tarnanas et al. 2015b). O objetivo deste estudo é a validação de um novo biomarcador digital de declínio cognitivo. 2013) e pode diferenciar entre pessoas com comprometimento cognitivo leve que se convertem para a doença de Alzheimer e aquelas que não o fazem (Tarnanas et al. 2015b). O objetivo deste estudo é a validação de um novo biomarcador digital de declínio cognitivo. 2013) e pode diferenciar entre pessoas com comprometimento cognitivo leve que se convertem para a doença de Alzheimer e aquelas que não o fazem (Tarnanas et al. 2015b). O objetivo deste estudo é a validação de um novo biomarcador digital de declínio cognitivo.

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32468532/